Extrusão de borracha: veja os principais problemas e soluções de processo

A extrusão de borracha é um dos processos de fabricação mais utilizados pela indústria da borracha. O processo consiste basicamente em forçar a passagem de um composto de borracha através de uma extrusora (equipamento de processamento), passando por uma matriz específica previamente desenhada, de forma que se obtenha o artefato no formato desejado.

Os artefatos extrudados de borracha são altamente adaptáveis, por isso, são encontrados em diferentes aplicações, entre elas: vedações, isolamentos, apoiadores, juntas, perfis para aplicação em vidros e metais, mangueiras, cordões, juntas para formas de concreto, tiras, entre outros. 

No artigo de hoje, iremos tirar todas as suas dúvidas sobre a extrusão de borracha e te explicar quais são os principais problemas e possíveis soluções tecnológicas para esse processo. 

 

Vantagens da extrusão de borracha

Existem diversos métodos para processamento e vulcanização de borrachas, mas como falamos anteriormente, a extrusão da borracha é uma das escolhas mais comuns. Isto se deve principalmente porque os produtos de borracha extrudados podem ser produzidos de uma forma contínua e uniforme, permitindo a produção de uma gama de artefatos de borracha, leves e flexíveis e de baixo custo, incluso expandidos, para qualquer necessidade industrial.

 

Problemas da extrusão de borracha

Apesar desse processo de extrusão de borracha possuir vantagens, nem tudo é perfeito e muitos problemas ocorrem, seja por excesso ou falta de temperatura do equipamento, ou por variações e má formulação do composto de borracha, envolvendo os polímeros utilizados e viscosidade do composto para extrusão, além do tipo de vulcanização escolhido: por exemplo, a escolha mais comum entre os transformadores é a cura por enxofre e aceleradores, mas que ajudam a ocasionar problemas de estabilidade dimensional do composto pré vulcanização, migração (blooming), além de menor produtividade quando comparado ao sistema base peróxidos orgânicos.   

 

Soluções do processo 

Para garantir total estabilidade do composto, evitando assim pré vulcanização, a utilização de peróxidos orgânicos é fundamental, o que além de tudo permite total reciclabilidade de pontas iniciais de ajuste, o que não acontece com a utilização de enxofre e aceleradores.  

Polímeros especiais e uma formulação bem ajustada também ajudam a controlar a viscosidade da massa e manter o controle de temperatura e homogeneidade da borracha extrudada. 

A Retilox Química é especialista em vulcanização contínua de perfis extrudados, com patente reconhecida internacionalmente, oferecendo produtos especiais para ganho de produtividade, maior qualidade, e possibilidade de reciclar 100% 

Esperamos que esse artigo tenha tirado as suas dúvidas sobre o assunto. Se a sua empresa passa pelas situações citadas acima com a extrusão de borracha, fale conosco

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest

VEJA TAMBÉM

RETICULAÇÃO BORRACHA
Sem categoria

RETICULAÇÃO BORRACHA

RETICULAÇÃO BORRACHA – O uso de um peróxido orgânico como agente de reticulação de Borracha foi relatado pela 1ª vez por Ostromislenski, em 1915. Nesse

Leia mais »
PERÓXIDO DE DICUMILA
Sem categoria

PERÓXIDO DE DICUMILA

O Peróxido de Dicumila é um peróxido orgânico da classe dialquil, comumente utilizado para a reticulação / cura de elastômeros e plastômeros, além de ser

Leia mais »
PERÓXIDO ORGÂNICO
Sem categoria

PERÓXIDO ORGÂNICO

Os peróxidos orgânicos são atualmente utilizados pela indústria transformadora de plastômeros e elastômeros na reticulação dos mais diversos tipos de polímeros em substituição ao sistema

Leia mais »